Presos Políticos do Império| MIAMI 5      

     

Só TEXTO / Assinatura jornal impreso

I N T E R N A C I O N A I S

Havana, 9 de Abril, de 2014

Rússia apoia diálogo pacífico da
crise na Ucrânia

MOSCOU. — O ministro de Assuntos Exteriores, Serguei Lavrov, reiterou a proposta da Rússia de analisar em formato multilateral uma solução pacífica para a crise na Ucrânia, mas insistiu na presença de representantes políticos das regiões.

Lavrov declarou que a Rússia está disposta a discutir a situação ucraniana com representantes da União Européia, Estados Unidos e Kiev, em qualquer dos formatos, expressou em coletiva de imprensa quando terminaram as conversações oficiais com seu par de Angola, Georges Chikoti.

Esclareceu que abordou o tema de eventuais negociações nesse formato com o secretário norte-americano de Estado, John Kerry, sem precisar data nem agenda, e insistiu em que não estão definidas as partes que participarão. A contraparte norte-americana anunciou como dado possível para o encontro os próximos 10 dias.

O chefe da diplomacia russa considerou a respeito que nas conversações internacionais sobre a crise ucraniana devem estar representadas as regiões do leste e sul desse país, e deixou claro que Moscou não legitimará uma reforma constitucional na Ucrânia que até hoje ninguém "tem visto", que se organiza a portas fechadas, e muito menos sem consenso nacional.

Lavrov reiterou que não haverá uma normalização da situação enquanto as autoridades ucranianas continuem ignorando os interesses dessas regiões, e disse que a Rússia não aceita um diálogo com o governo instalado em Kiev, após o golpe de Estado de 22 de fevereiro passado.

Desde o fim de semana passado aumentou a onda de descontentamento com as autoridades golpistas ucranianas nas cidades de Donestsk, Járkov, Lugansk, Mariopol e Nikolaevsk, onde as populações reclamam o status de federalismo para a Ucrânia, enquanto outros setores exigem um referendo para decidir pela adesão a Rússia.

Em coletiva de imprensa o prefeito de Donestsk, Alexander Lukyachenko, afirmou que as novas autoridades de Kiev não entendem o que acontece na região de Donbass. Tudo o que acontece hoje no sul e no leste do país é conseqüência da política errada de Kiev, afirmou o funcionário.

São conseqüências da falta de decisão de entender e solucionar os problemas, salientou Lukyachenko, ao mencionar os ânimos separatistas que predominam e as ocupações do governo.

Disse que a todos esses problemas havia que responder ontem e não hoje e manifestou esperanças em que o governo e a Suprema Rada (Parlamento) escutem os pedidos destas pessoas daqui, de Donbass e do sudeste. Advertiu que se num prazo breve as pessoas não recebem resposta vão buscar proteção do estado vizinho.

Segundo Lukyachenko, uma parte das armas ocupadas aos manifestantes durante a tomada do prédio do Conselho de Segurança regional foi entregue durante as negociações entre os ativistas rebeldes, a administração e o comando das tropas especiais enviadas a Donetsk para sufocar a resistência.

Tropas do interior e comandos especiais também tomaram controle da sede da administração na cidade de Járkov, onde começou uma operação militar para desalojar os grupos de opositores ao regime golpista de Kiev. Foram presos 70 ativistas rebeldes e continuam as ações na cidade de grupos de resistência. O auto-designado presidente interino, Alexander Turchinov, informou ao abrir a sessão do Parlamento, também em qualidade de ministro do legislativo, que foram sufocadas ações similares em Dnepropetrovsk e Nikolaevsk.

Afirmou que num prazo breve recuperarão o controle da administração de Donetsk e do prédio do Conselho de Segurança em Luganks.

Um dos deputados do Partido Batkivshcchyna, de Turchinov, declarou à imprensa que sobre Járkov foi lançado um regimento completo dos comandos especiais Jaguar, do ocidente ucraniano, de onde procedem os membros da recém formada Guarda Nacional da Ucrânia, com ultranacionalistas e fascistas.

O Parlamento ucraniano aprovou por maioria uma iniciativa legislativa para fortalecer o código penal em relação com atos de separatismo e para criminalizar a onda de descontentamento popular. (PL)
 

IMPRIMIR ESTE MATERIAL


Diretor Geral: Pelayo Terry Cuervo. Diretor Editorial: Gustavo Becerra Estorino
HOSPEDAGEM: Teledatos-Cubaweb. Havana
Granma Internacional Digital: http://www.granma.cu/

  Inglês | Francês | Espanhol | Alemão | Italiano | Só TEXTO
Só TEXTO / Assinatura jornal impreso

© Copyright. 1996-2013. Todos os direitos reservados. GRANMA INTERNACIONAL/ EDICAO DIGITAL

Subir