Presos Políticos do Império| MIAMI 5      

     

Só TEXTO / Assinatura jornal impreso

E S P O R T E S

Havana. 22 Julho, de 2014

Campeonato Latino-americano de Paraquedismo em Varadero

Lien Martí Rodríguez / Pedro Carrillo Garcés

JORGE Derviche é um homem comum. Sua baixa estatura e o excesso de peso conseguem esconder seu espírito aventureiro e seu passado como esportista de destaque. Rapa, como é conhecido no seu país natal, o Brasil, é o atual presidente da Confederação Latino-americana de Paraquedismo (Colpar) e acumula uma longa trajetória na esfera da administração esportiva desde 1994, quando acabou encerrando seu desempenho como atleta.

Segundo comenta, sua carreira de 19 anos como paraquedista começou em 1974. No começo praticou a modalidade de precisão. Depois, com a experiência, ficou empolgado com a queda livre, modalidade por equipes onde conseguiu quatro títulos em lides regionais brasileiras e dois vice-campeonatos pan-americanos.

Jorge Dervinche encontra-se pela primeira vez em Cuba, ainda não teve tempo de percorrer suas ruas, mas já conhece a alegria natural e o entusiasmo dos cubanos, com os quais partilha a organização do 11º Campeonato Latino-americano de Paraquedismo Esportivo e a Copa Amistad. Ambas as lides tiveram lugar há poucos dias em Varadero. Em uma das jornadas prévias acedeu a dar estar declarações.

Como valoriza a realização destes torneios?

"Estes torneios latino-americanos são muito importantes para a troca de conhecimentos, permitem que países com maior nível deem suas contribuições nesse sentido. Cuba e o Chile são muito bons na modalidade de precisão, na qual se está concorrendo na presente edição. O Brasil, Peru e a Argentina terão a chance de incrementar seus conhecimentos".

"Em setembro, o Brasil será a sede da modalidade de pilotagem à vela, onde os anfitriões e os argentinos têm os melhores resultados. Então, os outros participantes terão a chance de elevar, pouco a pouco, o nível técnico. Só assim a região poderá crescer, do ponto de vista competitivo".

Qual a sua opinião acerca do paraquedismo cubano?

"Nesta especialidade de precisão está no topo. Nas outras modalidades fazem grandes esforços para aprender e crescer também. Conhecemos, desde há um bom tempo, que os esportistas cubanos, quando se esforçam, podem atingir metas douradas".

Com este intercambio só se beneficiam os esportistas?

"O torneio vai mais além das competições, pois se realizam ações de capacitação, que são fundamentais. Por exemplo, a formação de juízes credenciados pela Federação Aérea Internacional (FAI). É essencial formar juízes e o fazemos onde quer que haja uma competição. Agora, ganharam a categoria de árbitros FAI quatro juízes cubanos. Uma boa competição também depende de que haja bons árbitros. Eu pretendo que, na passagem dos anos, este seja meu legado".

E apesar do seu lamento, por causa da eliminação do time do Brasil na Copa Mundial de Futebol, Rapa mostra um sorriso e confessa que gostaria de realizar um salto em Cuba. Despede-se, com a câmara na mão, na qual já guarda lembranças de nossas pessoas.
 

IMPRIMIR ESTE MATERIAL


Diretor Geral: Pelayo Terry Cuervo. Diretor Editorial: Gustavo Becerra Estorino
HOSPEDAGEM: Teledatos-Cubaweb. Havana
Granma Internacional Digital: http://www.granma.cu/

  Inglês | Francês | Espanhol | Alemão | Italiano | Só TEXTO
Só TEXTO / Assinatura jornal impreso

© Copyright. 1996-2013. Todos os direitos reservados. GRANMA INTERNACIONAL/ EDICAO DIGITAL

Subir