Presos Políticos do Império| MIAMI 5      

     

Só TEXTO / Assinatura jornal impreso

E S P O R T E S

Havana. 13 Novembro, de 2014

Bandeira Nacional de Cuba tremula no estrado dos estandartes dos 22os Jogos Centro-americanos e do Caribe

Oscar Sánchez Serra

 “Sempre se sente igual, a gente arrepia e os pelos ficam eriçados e se sente um aperto no peito, é como se agora mesmo estivesse combatendo com Zamora no ringue de Munique”, disse-nos Orlando Martinez “Orlandito”, homem pequeno de estatura, mas de coração gigante.

 Orlandito, com 68 anos, viveu assim a cerimônia em que foi içada a bandeira cubana no World Trade Center da cidade de Veracruz, quando entraram o pavilhão nacional e os jovens protagonistas de hoje, os que aspiram a atingir a glória nos 22os Jogos Centro-americanos e do Caribe, que serão inaugurados na noite desta sexta-feira, 14 de novembro.

 Orlandito foi o primeiro boxeador do esporte revolucionário a obter uma medalha de ouro em uma Olimpíada (Munique 1968), quando venceu na final o mexicano Alonso Zamora por votação unânime dos juízes. Ele é uma das glórias esportivas cubanas que acompanham os atletas da Ilha Maior das Antilhas.

 A cerimônia, efetuada em um dos salões instalação, por causa dos fortes ventos de quase 80 quilômetros que açoitam esta região veracruzana, foi presidida por Alejandro Palma Fragoso, executivo, encarregado do enlace com o governo federal, Antonio Becali Garrido, presidente do Instituto Cubano de Esportes (Inder) e María Luisa Fernández, cônsul geral de Cuba, no Estado sede da cita multiesportiva.

 Palma Fragoso referiu-se aos laços que unem os povos do México e Cuba, escritos na história de ambas as nações. “É uma honra, um orgulho para os Jugos ter vocês aqui”, expressou.

  O chefe da missão cubana, em nome da delegação de seu país disse que “saudamos e abraçamos todos os participantes, especialmente os anfitriões e reiterou que a jovem comitiva cubana veio disposta a defender as conquistas de nosso esporte, que é o fruto da obra da Revolução”, e acrescentou que os esportistas da Ilha Maior das Antilhas saberão estar à altura do compromisso que se traçaram nesta festa.

 Amanhã, 15 de novembro, começam os jogos e se discutem as primeiras medalhas, sendo possível que Jorge García, no caiaque, nos permita escutar o hino Cubano pela primeira vez.
 

IMPRIMIR ESTE MATERIAL


Diretor Geral: Pelayo Terry Cuervo. Diretor Editorial: Gustavo Becerra Estorino
HOSPEDAGEM: Teledatos-Cubaweb. Havana
Granma Internacional Digital: http://www.granma.cu/

  Inglês | Francês | Espanhol | Alemão | Italiano | Só TEXTO
Só TEXTO / Assinatura jornal impreso

© Copyright. 1996-2013. Todos os direitos reservados. GRANMA INTERNACIONAL/ EDICAO DIGITAL

Subir