Presos Políticos do Império| MIAMI 5      

     

Só TEXTO / Assinatura jornal impreso

C U L T U R A

Havana. 9 de Julho, de 2014

Olhada ao cinema cubano no primeiro semestre de 2014

Mireya Castañeda

LONGAS-METRAGENS de ficção, documentários e curtas-metragens de temáticas e estilos diferentes aparecem com maior frequência no cinema cubano, nos últimos tempos. Uma vista de olhos ao que já foi estreado e àquilo que se encontra em pós-produção, permite perceber um amplo leque de novas tendências e formas e a coexistência de reconhecidos realizadores, junto de uma promissória chegada de jovens cineastas, cuja obra pode ser apreciada, por exemplo, em espaços como a Mostra Jovem Icaic.

  O número de fitas em determinada etapa de produção também é sinal de uma melhoria na cinematografia da Ilha, no ano do 55º aniversário da criação do Instituto Cubano da Arte e Indústria Cinematográfica (Icaic).

 Ao adentrarmo-nos nesse campo é obrigado lembrar que neste ano o Prêmio Nacional de Cinema foi concedido a Juan Carlos Tabío, diretor de fitas como Se permuta (sua obra prima de ficção, em 1983), Plaff (1899), Lista de espera (1999), El Elefante y la bicicleta (1994), Aunque estes lejos (2003), El cuerno de la abundancia (2009) e El dulce amargo de la desesperación, um conto do longa-metragem Siete dias en La Habana (2010).

 Ainda, Tabío é co-diretor, junto com o maestro Tomás Gutiérrez Alea, das fitas Fresa y Chocolate (1993) e Guantanamera (1995), dentre o melhor do cinema cubano.

FALEMOS DE ESTREIAS

 O diretor Ernesto Daranas apresentou Conducta, que durante as quatro semanas em que se manteve no cartaz foi vista por mais de trezentos mil espectadores. Conta a história de Chala, um rapaz de onze anos que tem uma vida muito difícil, e Carmela, sua professora. O enredo do filme começa a desenvolver-se quando ela adoece e tem que deixar as aulas; quando retorna verá que tudo mudou, inclusive a conduta do rapaz.

 Protagonizada por crianças sem formação como atores, junto a Alina Rodríguez como Carmela, e apoiada em atrizes como Yuliet Cruz, Conducta é o terceiro longa-metragem de Daranas, que em 2008 filmou Los dioses rotos, uma adaptação do mito do proxeneta Yarini aos tempos atuais, um melodrama muito bem feito que, sem sair das convenções do gênero, resultou um filme ameno, bem atuado, com personagens e situações credíveis.

 O verão chega, finalmente, com Meñique, o primeiro desenho animado cubano em 3D. A trama é inspirada na versão que fez o Apóstolo cubano, José Martí, de um conto tradicional francês, incluído no primeiro número da revista La Edad de Oro, uma revista literária infantil, que José Martí editou e fundou no século 19.

 E em alguns fotogramas desse desenho animado, dirigido por Ernesto Padrón, que a imprensa conseguiu apreciar, apreciam-se os méritos de uma criação colorida de paisagens e personagens e a música de Silvio Rodriguez. Padrón recreia uma espécie de “Idade Média” cubana, já que as paisagens, as cidades e os próprios personagens fazem lembrar o vale de Viñales ou a antiga Havana.

 Um grupo de brilhantes artistas faz as vozes dos personagens: Lieter Ledesma é Meñique; Aramís Delgado é o Rei; Enrique Molina é Pedro; Manuel Marin assume as vozes do Machado, do Gigante, do capitão da guarda e de um dos irmãos de Meñique; Osvaldo Doimeadiós é a voz da Polvera Mágica; Corina Mestre é a bruxa Barussa e a princesa é Yoraisy Gómez.

 A estreia mais recente é Bocaccerías Habaneras, de Arturo Sotto, que obteve o prêmio Coral de Roteiro e o da Popularidade, durante o 35º Festival do Novo Cinema Latino-americano, em dezembro do ano passado, em Havana.

 Sotto, diretor de Pon tu pensamiento en mí, Amor vertical torceu por uma adaptação de contos do livro Decamerón, que o autor italiano Giovanni Boccaccio terminou entre 1351 e 1353.

 Sob o lema, “Todo mundo tem uma história que contar”, Sotto estruturou uma comédia que, segundo suas palavras, tem como intenção, “dar um espetáculo cinematográfico, que transmita gosto, que transmita prazer, não é procurar o riso ou o humor em uma visão muito crítica da realidade, é lançar mão da realidade para refletir a partir do próprio sorriso”.

 Los primos, No te lo vas a creer e El cuento del tabaco, são as três histórias que formam a comédia, com um grupo de atores que combina os mais experientes, como Mario Guerra, Zulema Cruz, Luis Alberto García, Jorge Perugorría e Patricio Wood, com jovens como Yadier Fernández, Yerlin Pérez, Claudia Álvarez e Yudith Castillo.

 “Boccaccerias Habaneras — garante Sotto — é uma fita muito requintada, relativamente ao erotismo, inclusive naquelas cenas que podem ser mais procazes faz um discurso interno que critica essa visão do erotismo, que pode ser até de mau gosto e que critica também qualquer elemento que possa ser de péssima feitura”.

EM PÓS-PRODUÇÃO

 Leontina intitula-se o filme que Rudy Mora entregará em breve. Conta a história de um grupo de crianças que participam de um concurso de pintura e precisam da cor azul; mas só a podem achar no povoado de Palma Blanca, um lugar onde o riso sumiu e seus moradores caminham devagar, à exceção da loja do Legionário.

 Por seu lado, Juan Carlos Cremata está nos passos finais de Contigo pan y cebolla. História muito conhecida, porque é uma da peças teatrais mais difundidas do teatro cubano e sua versão cinematográfica constitui uma homemagem a seu autor, o mestre Héctor Quintero, segundo expressou o cineasta.

 Também se encontra na etapa final de pós-produção Fátima, a última fita do ator Jorge Perugorria como diretor, protagonizada por Carlos Enrique Almirante, é baseada no conto El parque de la fraternidad, de Miguel Barnet, e conta a história de um travesti original, que se autoproclama a rainha das noites havanesas.

 O realizador Fernando Pérez ainda se encontra trabalhando em La pared de las palabras. Conforma a história a vida difícil de um doente com limitações físicas e motoras, o relacionamento com sua família e outras pessoas com vidas não menos tempestuosas, em outra excelente indagação acerca da condição humana.

 Foi filmada em locações como Santa Fé e a Quinta Canaria e conta com um grupo de atores de luxo: Jorge Perugorria, Isabel Santos, Laura de la Uz e Verónica Lynn, pelo que sem dúvida isto pode ser um duelo de atores entre estes quatro astros e estrelas.

 Ainda, na fase de pós-produção está Omega 3, o primeiro longa-metragem cubano de ficção científica, dirigido por Eduardo del Llano e contando com o desempenho de atores como Carlos Gonzalvo e Daylenis Fuentes.

 Acerca do desafio de ser mulher na Cuba de hoje trata Venecia, filme já quase para estrear de Enrique Alvarez. A fita conta as aventuras de três jovens cabeleireiras que no dia de cobrar o salário resolvem acompanhar uma delas a comprar um vestido. Esse é o ponto de partida para uma sucessão de peripécias que farão parte do seu exótico itinerário, atravessando uma noite que as deixará sem um centavo. Ao amanhecer, sem dinheiro, mas com muitas esperanças no bolso, sonham em abrir um salão de beleza particular, ao qual darão o nome da sedutora cidade dos canais.

 A realizadora Marilyn Solaya também está prestes a entregar Vestido de Novia, onde intervêm atores da categoria de Laura de la Uz, Luis Alberto García, Jorge Perugorría e Isabel Santos. O filme aborda o conflito de Rosa Elena e Ernesto, morando no ano 1994, em Havana. Ela, assistente de enfermeira; ele, chefe de uma brigada de construção. Ambos se apaixonam, casam e tentam ser felizes, até que um segredo na vida dela ameaça essa harmonia e os converte em vítimas da violência, os preconceitos e os estereótipos de uma sociedade que ainda se encontra regida pelo machismo.

 Vuelos prohibidos, título de projeção do último projeto cinematográfico de Rigoberto López, protagonizado pelo popular cantor Paulo FG foi filmado em locações de Havana e Paris.

 Finalmente, a jovem realizadora Jessica Rodríguez proporá para este ano 2014 sua obra prima Espejuelos oscuros. Luis Alberto García e Laura de la Uz são as estrelas, desempenhando cada um quatro papéis diferentes. Segundo afirma a diretora, “o filme decorre em quatro momentos diferentes da história de Cuba e tem a ver com os conflitos de uma mulher entre seus desejos e o que a sociedade espera dela. Conflitos de caráter extraordinário, embora estejam sob a pele de mulheres medíocres e ordinárias”.

SEMPRE O DOCUMENTÁRIO

 O documentário cubano sempre tem se destacado por seu estilo, seu amplo leque de temas, e embora não esteja privilegiado na exibição, não deixam de ser realizados. Neste ano, por ocasião do 55º aniversário do Icaic, estrearam-se três deles, dedicados a diversos aspectos da cultura.

 O primeiro deles foi Humberto, de Carlos Barba, uma aproximação à figura do grande cineasta cubano Humberto Solás (1941-2008), que resulta uma aproximação sensível e profunda e um tributo à vida e à obra do reconhecido cineasta cubano, que dirigiu fitas como Lucía, Cecilia, Un hombre de éxito, deixando sua marca no cinema ibero-americano.

 A segunda estreia foi Yo sé de un lugar, dirigida pelo suíço Beat Porter, acerca do popular músico cubano Kelvin Ochoa. O documentário recria encontros com lugares e personalidades que têm marcado sua vida e obra, entre eles Silvio Rodriguez, Pablo Milanés, Frank Fernández, Yusa e Ernan Lopez-Nussa.

O trio de documentários é completado com Me dicen Cuba, de Pablo Massip, onde se podem ver depoimentos de mais de 70 músicos cubanos, entre eles Silvio Rodríguez, Sergio Vitier, o dueto Buena Fé, Vicente Feliu, o trovador Lázaro Garcia, Digna Guerra, Raúl Paz, Luna Manzanares, Vania Borges e Paulo FG.

 Eles, parte da vanguarda musical cubana, falam de valores universais como a pátria, a família, a música, o amor, a amizade, o heroísmo, a paz e outros temas. São músicos reunidos com o objetivo de fazer um disco dedicado aos Cinco heróis cubanos.

 Anteriormente, tinha passado pelas salas de estreia, com excelente acolhida por parte do público, o documentário de Lourdes Prieto Hay um grupo que dice, sobre a história do Grupo de Experimentação Sonora do Icaic, criado em 1969.

 Inclui entrevistas a Leo Brouwer, Silvio Rodriguez, Sara González, Eduardo Ramos, Sergio Vitier, Pablo Menéndez, Noel Nicola, Pablo Milanés e Victor Casaus, quem o produziu a partir do Centro Cultural Pablo de la Torriente Brau.

 Há um espaço para o curta-metragem de ficção, neste caso Tarde para Ramón, do jovem realizador Daniel Chile, de dez minutos de duração e cujo protagonista é Jorge Perugorria, acompanhado de Maydely Pérez, Yaniel Castillo, Yamany Guerrero, Lyn Cruz, Gina Morales e o ator Omar Franco, numa história enquadrada dentro do gênero do drama. Conta a decisão que adota Ramón para emendar o conflito existente com a filha e as situações imprevistas que determinarão suas vidas.

 Após termos descrito toda esta relação anterior, há razões para convencer-se de que o cinema cubano, neste primeiro semestre de 2014, está em meio de um renascimento.

 

IMPRIMIR ESTE MATERIAL


Diretor Geral: Pelayo Terry Cuervo. Diretor Editorial: Gustavo Becerra Estorino
HOSPEDAGEM: Teledatos-Cubaweb. Havana
Granma Internacional Digital: http://www.granma.cu/

  Inglês | Francês | Espanhol | Alemão | Italiano | Só TEXTO
Só TEXTO / Assinatura jornal impreso

© Copyright. 1996-2013. Todos os direitos reservados. GRANMA INTERNACIONAL/ EDICAO DIGITAL

Subir