Reflexiones del Comandante en Jefe

REFLEXÔES DO COMANDANTE-EM-CHEFE

 CHE

 Faço uma paragem no combate diário para inclinar minha testa, com respeito e gratidão, perante o combatente excepcional que tombou em 8 de Outubro há 40 anos. Pelo exemplo que nos legou com sua Coluna Invasora, que atravessou os terrenos pantanosos ao sul das antigas províncias de Oriente e Camagüey perseguido por forças inimigas, libertador da cidade de Santa Clara, criador do trabalho voluntário, cumpridor de honrosas missões políticas no exterior, mensageiro do internacionalismo militante no leste do Congo e na Bolívia, plantador de consciências em nossa América e no mundo.

Agradeço-lhe pelo que tentou fazer e não conseguiu em seu país de nascimento, porque foi como uma flor arrancada prematuramente de seu talo. Deixou-nos seu estilo inconfundível de escrever, com elegância, brevidade e veracidade, cada detalhe do que passava pela sua mente. Era um predestinado, mas ele não o sabia. Combate conosco e por nós.

ONTEM se completou o 31 aniversário da matança dos passageiros e tripulantes do avião cubano que fizeram explodir em pleno voo, e nos adentramos no décimo aniversário da cruel e injusta prisão dos cinco heróis antiterroristas cubanos. Perante todos eles inclinamos igualmente nossas testas.

Com muita emoção assisti e escutei pela televisão o comício comemorativo.

 Fidel Castro Ruz

7 de Outubro de 2007

Hora:  15 h:17 

   

SubirSubir