Reflexiones del Comandante en Jefe

REFLEXÕES DO COMANDANTE-EM-CHEFE

 A resposta de Milosevic

 Na reflexão da segunda-feira 1º de outubro, fiz referência à mensagem que enviei a Milosevic em 25 de março de 1999.

 Em 30 de março recebi de Milosevic as seguintes palavras:

 “Excelentíssimo Senhor Presidente:

 “Com atenção e sincero agradecimento recebi sua mensagem de 25 de março de 1999. Agradeço suas fortes palavras de apoio e de estímulo à Iugoslávia, também a condena à agressão da NATO expressada por Cuba e por seus representantes, designadamente nos foros das Nações Unidas. A República Federal da Iugoslávia (RFI) é vítima da agressão dos Estados Unidos e da NATO, a maior no mundo desde os tempos das agressões de Hitler. O crime não foi cometido apenas contra a República Federal da Iugoslávia como Estado pacífico, soberano e independente, também é uma agressão contra tudo aquilo que tem valor no mundo às portas do século XXI: o sistema das Nações Unidas, o Movimento de Países Não-Alinhados, as bases da ordem de legalidade, os direitos humanos e a civilização em geral. Sinto-me orgulhoso de poder comunicar-lhe que a agressão fez com que se homogeneizasse e se fortalecesse a decisão dos povos da Iugoslávia de resistir e defender a liberdade, a soberania e a integridade territorial. Nossas forças armadas e o povo estão decididos e bem-dispostos a cumprirem sua tarefa. É por isso que para nós é bem-vinda e, além disso, necessária a solidariedade e a ajuda dos amigos em todo o mundo, da forma mais ampla e forte possível.

 “O comportamento do Conselho de Segurança das Nações Unidas a respeito da agressão da NATO contra a RFI é uma derrota para as Nações Unidas. É um sinal nefasto e uma grande advertência para todo o mundo, principalmente para os países medianos e pequenos, embora não só para eles. Estou certo que o senhor sabe que a RFI e a República Sérvia de forma sincera e continuada puseram todo o empenho na busca de uma solução política para Kosovo e Metohja e em interesse de todas as comunidades nacionais que vivem ali e que respeitam nossa ordem constitucional. Rogo-lhe, senhor Presidente, que a amizade de Cuba continue com sua ação no seio do Movimento para convocar o Bureau de Coordenação dos Não-Alinhados e que o grupo de amigos condene resolutamente a agressão da NATO contra a República Federal da Iugoslávia. Também fico convencido de que seu prestígio pessoal será de grande utilidade para estimular os países Não-Alinhados em geral, para que alcem sua voz numa forte condena a esta agressão vandálica. Mais uma vez, em agradecimento à solidariedade e ao apoio à RFI, expresso a esperança de que permaneceremos em contato próximo. Receba, senhor Presidente, a expressão do maior respeito.

 “Assina Slobodan Milosevic.”

 Houve realmente duas guerras, uma das quais ainda não concluiu, e dois fatídicos encontros de Aznar, um com Clinton e outro com Bush. Dois percursos idênticos do primeiro: via Cidade do México-Washington e via Cidade do México-Texas, com o mesmo objetivo e com igual falta de princípios éticos, nos quais Aznar se autodesigna coordenador bélico dos mudáveis presidentes dos Estados Unidos.

 Fidel Castro Ruz

2 de outubro de 2007

17h:32  

 

   

SubirSubir